Butterfly Soul
Rascunho Literário
Guia para Mamãe de Primeira Viagem
BS no Youtube

Daniel <3

Hoje está sendo um dia daqueles difíceis. Tenho vontade de gritar e espernear de saudade do meu filho. Não me atrevo a questionar o por quê disso ter acontecido comigo, porque sei que alguma coisa eu preciso aprender. Mas a minha pergunta sempre é: o quê?

O que eu preciso aprender com todo esse sofrimento e saudade? Talvez seja que eu preciso ser menos desprendida das coisas e das pessoas, por que elas não são minha propriedade? Isso seria uma boa lição, mas eu nunca fui muito possessiva com relação às pessoas no geral (menos com filhos).

Hoje eu amo o Rodrigo com um amor tão sufocante que às vezes ele me empurra, porque eu dou beijos demais e ele fica sem ar. Mas simplesmente acho uma bênção muito grande Deus ter me dado a chance de poder criar alguém tão especial aqui nesta Terra e tenho muito medo dele morrer também. É muita neura pra uma cabeça só, mas talvez quem tenha perdido um filho saiba o sentimento.

Me lembro de uma amiga que tinha problemas com a sogra, porque ela era apegada demais ao filho, no caso, o marido dela. Minha amiga vivia reclamando da sogra e eu realmente achava um absurdo as coisas que ela fazia. Até descobrir que aquela mãe perdeu 6 filhos antes de conseguir ter ele, o marido da minha amiga. Depois disso, que mais eu poderia dizer? Minha amiga pode continuar com a mesma relação ruim com a sogra, mas eu não consigo mais dar razão à uma ou à outra. Só porque eu entendo qual é o sentimento de amor sufocante de finalmente conseguir abraçar um filho, e o medo da morte levá-lo.

O tempo passa e a saudade só cresce. Outro filho chega mas não tapa o buraco. Nem faz cosquinha na ferida. Tenho vontade de me afogar numa panela de brigadeiro, e ficar mergulhada no sofá embaixo das cobertas o dia todo, mas não posso. Já fiz isso por tempo demais e não vou me permitir ficar daquele jeito de novo. Preciso seguir em frente e de algum jeito lidar com essa dor. Não enterrá-la, porque enterrar não adianta. Preciso aprender a conviver com ela, porque ela seguirá comigo até o fim da minha vida. Preciso aprender a sorrir mesmo com a dor no peito. Preciso aprender a olhar pras crianças da idade que o Daniel teria e não imaginar mais meu filho.

Meu sonho, desde criança, sempre foi ter uma menina. Mesmo garotinha eu já tinha o nome das minhas filhas escolhidas: Manuela e Letícia. Queria duas meninas. Pra eu enfeitar com lacinhos, colocar vestidos lindos e brincar de boneca com elas. Queria duas meninas crescendo juntas, sendo as melhores amigas entre elas, e compartilhando tudo comigo. Seríamos um trio inseparável. Esse sempre foi meu sonho. Mas Deus me mandou de surpresa um menino. Fiquei sem chão porque nem nome pra menino nunca tinha pensado, quanto mais como criar um. Fiquei imaginando todo o futebol que eu teria que assistir, e as brincadeiras de luta dentro de casa. Os meses se passaram e eu aprendi a amar cada dia mais aquele serzinho que chutava dentro de mim. Aprendi a gostar de azul, em vez de rosa. Aprendi a pensar em Superman, em vez de escolher um tema de Princesa Disney pro quarto.

Mas você veio muito cedo. Nem sei se consigo colocar pra fora isso tudo que tem aqui dentro de mim. O que aconteceu? Por que você nasceu tanto tempo antes? O que eu fiz de errado pra não ter conseguido gerar você direito? Eu tenho muitas hipóteses, e em todas elas eu sou a culpada. Deveria existir uma lei que proibisse uma mãe de sofrer e se culpar tanto. Mas mães se culpam, sempre. Por tudo. A imagem de você tão pequeno na UTI nunca sairá da minha cabeça. E eu tirando leite pra você receber de conta-gotas. Eu só queria abraçar você e sentir seu cheiro. Mas isso nunca me foi permitido e eu nunca mais conseguirei isso. Viverei o resto dos meus dias sem saber qual era o seu cheiro. E a dor de não poder te sufocar de beijos corta meu coração ao meio.

Nunca passei por um momento tão difícil na minha vida, e embora não me orgulhe dos quilos que isso trouxe pra mim, não me arrependo de ter me permitido sofrer o que tinha que sofrer. Algumas pessoas sofrem e simplesmente não conseguem comer, outras comem pra esquecer o sofrimento. Eu comi pra tentar esquecer, me entupi de chocolate pra ver se eu tinha um pingo de alegria naquele ano, enquanto as imagens passavam como um filme na minha cabeça. Enquanto meu peito saía leite e não tinha filho. Enquanto tinha um quarto e um berço quando não tinha bebê pra habitar ali. Enquanto tinham pilhas e pilhas de fraldas e não tinha cocô pra trocar.

Mas o que é o nosso corpo, se não uma prova viva dos anos que a gente viveu? Esses quilos a mais que hoje eu tento eliminar, veio junto com a falta de um filho que se foi. Hoje eu tento eliminar os quilos e o vazio, pra virar a página. Mas a cicatriz da barriga sempre vai estar ali, como uma prova viva de que você não foi um sonho.

Sinceramente nem sei se a escrita ficou boa e nem revisei pra ver se tem erro de português. Sinceramente nem sei se esse post vai continuar no ar. Talvez seja íntimo demais pra deixar aqui pra todo mundo ver.

Metas para 2017
{Teatro} VeRo – Cia de dança Déborah Colker
Eu e minha mania de Hermione Granger

6 comentários
  • Dedéu

    Eu só posso dizer uma coisa: Eu te admiro… admiro e muito!!!! Para mim vc eh um exemplo!!! Um exemplo de fé, determinação e perseverança!!! Qdo te conheci, logo qdo eu cheguei no Brasil, me lembro de ter ver sorrindo, muito simpática, e eu pensei 'é ela parece legal" ! Hj eu sigo teu blog, e acompanho o que vc posta sobre esse assunto, e posso te dizer que eu estava errada qdo eu pensei que vc era apenas legal… vc sem dúvida é um exemplo de ser humano, e um exemplo lindo!!!! E toda vez que eu leio a tua história meu sentimento de gratidao so aumenta, pois vem a certeza de que o Pai Celestial nos ama, Ama tanto que concedeu a bencao das familias serem eternas!!!! Obrigada pelo teu exemplo!!! Obrigada por compartilhar sua história!!! Obrigada, obrigada e obrigada!!!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    dedéu vc é uma fofa <3
    desde a primeira vez que eu te vi tb achei vc um amorzinho! :3
    eu não sou exemplo pra ninguém… tenho taaaantos defeitos e falhas que eu luto a cada dia contra… e o texto foi mais um desabafo do q qq outra coisa… tem dias que são mais difíceis que outros… eu acredito que uma coisa que eu me qualifiquei nessa perda foi que realmente me empoderei! hoje, todas as mulheres que perdem filhos eu sou a primeira a ir lá e abraçar, porque eu sei o sentimento e sei o que dizer… acho que talvez esse tenha sido o propósito: Deus me deu essa provação pra transformar meu coração em uma fortaleza, pra eu ser forte o bastante pra consolar outras mulheres… e nisso eu sou grata por ter passado por isso. a única pessoa que conseguia me consolar na época da minha perda era uma amiga que já tinha perdido 7 filhos… todas as outras falavam, tentavam mas não conseguiam acalmar meu coração… e acho que hoje consigo acalmar o coração de outras mães…
    bjos

    [Reply]

    Responder
  • Carol Zardo

    Mari, só Deus sabe os porquês e acredito que um dia teremos as respostas que tanto precisamos. A dor nunca passará, apenas aprenderemos a conviver com ela. Um filho realmente não supre a perda do outro, mas traz vida e alegria pra nós. Nos dá a chance de recomeçarmos! Pense que há mulheres que não tiveram e não terão essa segunda chance, mulheres como eu. Em 2001 me foi tirado o dom de ser mãe. Sofro demais todos os dias, me pergunto sempre o porquê, o que eu fiz de errado pra merecer esse sofrimento, mas até agora não tive a resposta. Antes eu não ligava muito em ser mãe, mas com o passar dos anos e amadurecimento, esse desejo se aflorou em meu coração. Já briguei com Deus, já gritei, já me maltratei, tive tantos momentos em que pensei em desistir de tudo, mas a fé foi maior. Sei que há algo muito especial reservado pra mim é um dia eu terei nos meus braços o meu tão sonhado filho.
    Que Deus a cada dia conforte o seu coração e te dê força para seguir em frente!!! Bjs no seu coração

    [Reply]

    Mariana Reply:

    carol… eu sei que é difícil, mas não se questione, só confie que o Pai tem um plano maior pra vc…
    eu tenho uma amiga que tb passa pelo mesmo q vc, e eu falo pra ela focar sempre que talvez essa possa ter sido uma proteção de Deus, porque Ele sabia que ela podia não aguentar a dor de perder vários filhos… então Ele poupou ela e segurou no colo fazendo isso… pensa que vc ainda poderá ter filhos quando tiver seu corpo de volta, glorificado <3 eu acredito nisso!
    bjos

    [Reply]

    Responder
  • Luciana vasconcelos

    Te admiro Mari…Sinceramente rogo de verdade que você possa se sentir feliz e realizada junto com sua família…

    [Reply]

    Mariana Reply:

    <3

    [Reply]

    Responder