Do sentimento de perder um filho

Em 14.07.2014   Arquivado em Pessoal

Quando eu tinha 15 anos, 6 pessoas da minha família e próximas a mim morreram no mesmo ano. Eu conheci todos os cemitérios do Rio de Janeiro naquele ano, infelizmente. O Natal e o Ano Novo foi muito vazio e triste, e os que se seguiram também. Apesar da dor real que eu senti naquela época, ela não se compara à dor e o vazio de enterrar um filho.

Mesmo depois de mais de 2 anos, eu ainda tenho esse sentimento. Mesmo tendo um profundo testemunho de que meu filho está num local MUITO melhor que o meu, vivendo MUITO melhor que eu, sem dores e sofrimentos, eu sofro. Sofro de saudade dele, de egoísmo por querer ele perto de mim. Meu coração carnal não consegue compreender claramente os desígnios de Deus pra minha vida e da minha família.

É fato que com o tempo você aprende a ficar anestesiado e a falar sem chorar sobre isso, mas a saudade nunca vai embora. É mentira se eu dissesse que meu segundo filho tapou o buraco do primeiro. Seria muita mentira mesmo. Eles são indivíduos diferentes, e assim como uma mãe consegue amar igualmente cada um de seus filhos, sofre igualmente por eles também.

Quando a gente passa por uma situação dessas, isso marca nossa vida pra sempre. É uma situação tão extrema que parece que você foi marcado na pele como um boi. Não consigo deixar de me envolver e sofrer junto quando eu vejo outra mãe passando pelo mesmo que eu.

O “engraçado” disso tudo é que quando eu perdi meu filho, achava que eu era uma ET e que eu era a única mulher no mundo a ter um filho indo embora. Mas quando você começa a tirar os olhos do seu umbigo e olhar em volta, muitas mães passam por esse mesmo sofrimento. Ao longo desses anos eu pude ver algumas, e me sinto útil por poder ajudá-las com o meu apoio.

Muitas vezes eu só precisei de um abraço e um ombro pra chorar. Não precisava de palavras. Embora eu estivesse rodeada de pessoas, eu não tinha ninguém pra fazer isso, porque as pessoas estavam tão preocupadas com o acontecido e angustiadas que não paravam pra olhar dentro dos meus olhos. Então eu me policio pra ir encontrar essas mães com meus “ouvidos do coração” abertos. Conseguir sentir o que elas precisam é a chave pra conseguir ajudar efetivamente.

O por quê de eu ter perdido um filho eu não sei. Talvez só saiba depois, quando encontrar meu Salvador. Mas de 2 coisas eu sei:
– Hoje eu sou mais forte;
– Hoje eu realmente POSSO ajudar outras mães, por entender o sentimento que elas têm.

<3

  • Si

    Em 14.07.2014

    Eu confio que Deus e sei que tudo o que Ele faz tem algum motivo. Não consigo imaginar a sua dor, mas percebo que você tem um amparo familiar e religioso que te ajudaram de fato a suportar essa situação.
    Bjus e carinhos, fica com Deus!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    com certeza… e que realmente esses amparos são indispensáveis no processo 😉
    bjinhus

    [Reply]

  • Chell

    Em 14.07.2014

    Não posso dizer que sei como é, nunca senti algo assim, nem sou mãe. Mesmo assim cada um sente com uma intensidade qualquer coisa. Mas conheço muita gente que já passou por isso, triste, mas infelizmente é comum.

    [Reply]

    Mariana Reply:

    é verdade, infelizmente é comum :(

    [Reply]

  • Denise

    Em 14.07.2014

    Sei exatamente o que é isso…esse sentimento de impotência, egoismo e a marca na pele são inconfundíveis pra quem passa por isso… A perda de um filho como no meu caso minha filha de apenas 4 anos me tirou o chão e carrego em mim outro filho que chegará em setembro , até aqui já se passaram quase 4 meses de sua partida, nasalareis uma eternidade , sinto falta do sorriso, da voz, das descobertas e a alegria que reinava em meu lar…hoje vivemos um dia de cada vez, dias esses que custam a passar! Sei que minha princesa está num lugar maravilhoso sem dor, sem lágrimas e totalmente sarada. É só um desabafo, desabafo esse com um ser (você) que sabe exatamente o que estou sentindo! Lindo o seu blog.
    Obrigada!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    <3

    [Reply]