Espaço da leitora: A história da minha gravidez – Família Borher

Em 26.06.2014   Arquivado em Maternidade

Mamãe: Beatriz, 31 anos, gerente comercial
Papai: Rafael, 32 anos, supervisor comercial
Bebê: Maria Clara, 8 meses

Tudo começou em 18/02/2013. Meu esposo foi me buscar no trabalho e fomos comprar um teste de gravidez porque eu estava desconfiada que estava grávida. Assim que chegamos em casa eu corri para o banheiro e fiz o teste. O resultado? 1 linha super escura e 1 linha super clara!!! Fiquei uns 5 minutos olhando para o teste e sinceramente sem ter certeza de nada. Saí do banheiro, mostrei pro meu marido que também não chegou a nenhuma conclusão. Se tivéssemos lido a bula (que está escrito que mesmo que 1 linha seja clara o resultado é positivo) isso não teria acontecido! Rsrsrs…

Com toda a ansiedade de ainda não sabermos se vinha um bebezinho por aí (pelo simples fato de não termos lido a bula), resolvemos que no dia seguinte eu faria o exame de sangue. Confesso que nessa noite eu não dormi! Quando deu 6h eu dei um pulo da cama e fomos ao laboratório. Fiz o exame mas o resultado só ficaria pronto às 16h!!! Foram as horas mais intermináveis da minha vida! Exatamente às 15:55h corri para frente do computador, entrei no site do laboratório e fiquei atualizando a página até aparecer o resultado. Quando o resultado apareceu, fiquei estátua na frente da tela, mais uma vez sem entender o resultado (acho que era o nervosismo). Lá dizia que minha taxa de HCG era maior que 25000 e depois tinha uma tabelinha dizendo que maior que 25000 era positivo! Quando caiu a ficha comecei a gritar pro meu marido: “Estou grávida! Estou grávida!” Mas ele parecia não acreditar, porque a tabela dizia que positivo era maior que 25000, e a minha taxa era exatamente 25000!!!

Mais uma longa noite da minha vida. Eu não conseguia dormir, pensando em como contar pra todo mundo uma notícia tão especial. Eu morava em outra cidade, e não queria contar por telefone. No dia seguinte corri pra um loja de bebê e comprei uma roupinha (na verdade queria comprar todas as roupinhas)!!! Acho que foi assim que o marido foi acreditando que eu estava grávida.

Infelizmente, alguns dias depois, quando levantei pela manhã percebi um sangramento e fiquei muito nervosa! Chamei meu marido e fomos para o hospital. Aí começou nosso dilema: estávamos na cidade há pouco tempo e eu ainda não tinha uma ginecologista lá. Na emergência a médica de plantão pediu uma ultrassonografia e descobrimos que eu estava com descolamento do saco gestacional e o médico não conseguiu localizar o embrião. Ficamos em choque! A médica que me atendeu não nos deu muita esperança. Como ela viu que ficamos muito abalados, resolveu ligar para uma obstetra amiga dela, que passou alguns medicamentos e pediu repouso absoluto durante 15 dias (absoluto mesmo, sem levantar da cama). No fim, tive que contar para os meus pais pelo telefone, pois já estava tudo pronto para a festa dos meus 30 anos no Rio e com isso tudo tivemos que cancelar. Foi um período bem delicado. Mas eu tive muito a ajuda da minha mãe, que viajou ao meu encontro e ficou me ajudando e me mimando. Me senti super protegida e confortada, e foi isso que me ajudou a superar esse momento.

Depois de 15 dias fomos fazer uma nova ultrassonografia e pra nossa felicidade o saco gestacional estava fixado e o embrião estava lá se desenvolvendo normalmente!!! Nesse dia ouvimos pela primeira vez o coraçãozinho do nosso bebê e foi uma emoção indescritível!!! Voltamos ao médico e fui liberada para voltar ao trabalho, com algumas recomendações.

Em todo o período da minha gravidez, sempre fui muito mimada no trabalho, sempre tive meu desejos rapidamente atendidos, recebi muitos presentinhos fofos, chá de fraldas… Praticamente fui carregada no colo! Eu não podia pegar um copo de água, eles sempre corriam e pegavam pra mim! Sou muito grata à Deus, porque eles foram verdadeiros anjos na minha vida, todos super fofos!

Antes da gravidez estava tratando uma depressão e quando fiquei grávida tive que parar de tomar o remédio. Eu me recusava a fazer terapia e isso dificultou um pouco. Vivi a gravidez em altos e baixos e foi bastante difícil, mas eu decidi que não tomaria remédio durante a gravidez, pois tinha muito medo de prejudicar o bebê.

Em junho resolvi que teria o bebê no Rio e não em Nova Friburgo. Foi aí que encontrei minha obstetra do coração! Ela já havia feito o parto da minha cunhada e fui muito bem recebida por ela, que me passou total segurança! Então fiquei fazendo pré-natal no Rio e em Nova Friburgo, pois o bebê poderia resolver nascer lá. Fui muito bem acompanhada pelos dois médicos, que sempre me deram todo suporte. Em Agosto, nossa bebezinha Maria Clara resolveu que queria nascer e comecei a sentir contrações. Fui para o hospital, passei a noite em observação, tomando medicação na veia e nada de dilatação. Ainda era cedo, eu estava com 7 meses, então os médicos resolveram que eu deveria me afastar do trabalho novamente, fazer repouso e tomar medicamentos para prolongar a gravidez ao máximo. Faltavam 15 dias para eu entrar de férias então minha médica do Rio pediu que eu fosse o mais rápido possível, pois o bebê realmente poderia nascer a qualquer momento e se isso acontecesse eu já estaria na cidade certa, pelo menos. Fui para o Rio e sofri com o calor, que na época não era muito, mas eu que estava acostumada com o clima da serra então senti bastante. Fiquei bem inchada também e confesso que não conseguia fazer muito repouso pois ainda tinha muita coisa pra finalizar (roupinha pra lavar e passar, quarto para colocar em ordem). Nesse período eu passei a ir toda semana na obstetra, mas já não tinha mais contrações e ficamos mais tranquilos. Já havíamos marcado o parto para o dia 09/10/13 e a ansiedade era grande!

Quando o grande dia chegou e fomos para a maternidade, tivemos por perto toda a minha família e amigos. Isso me deu segurança! Na hora do nascimento da Maria Clara eu estava tão tensa que não consegui esboçar nenhuma reação (confesso que isso me deixa frustrada quando eu penso). Logo que ela foi para o quarto eu não queria desgrudar dela, foram momentos deliciosos!

Quando fomos para casa, minha depressão voltou a dar o ar da graça e passei momentos bem delicados. Minha filha chorava e eu não conseguia cuidar dela. A única vontade que tinha era de correr e sumir! Não conseguia ouvir o choro dela, não tinha vontade escolher uma roupinha pra colocar nela e mais uma vez o apoio da minha família e amigos foram fundamentais! Retornei ao médico, voltei a tomar medicamentos e estou melhorando aos poucos.

Hoje sei: minha filha é minha razão de viver, meu maior presente, meu tesouro! Sou completamente apaixonada por ela e passaria por tudo novamente, só pra no final poder olhar para o rostinho dela e receber de volta um sorriso banguela que eu tanto amo!

Hoje me sinto realizada como mulher, porque sou mãe!

  • Amanda

    Em 26.06.2014

    Adorei a história!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    😉

    [Reply]

  • priscila

    Em 26.06.2014

    oi faz 15 dias que esta atrazada e fiz o exame e deu 25.0000 sera que estou gravida to muito ansiosa me ajudemmmm por favor

    [Reply]

    Mariana Reply:

    oi priscila! parabéns! essa é uma nova fase muito importante na sua vida!
    fica calma porque tudo vai dar certo! rsrsrsrs… todo mundo fica assim ansiosa quando descobre o positivo!
    aqui no blog tam bastante dica legal pra vc ir se familiarizando!
    bjinhus :)

    [Reply]

  • priscila

    Em 26.06.2014

    MARIANA MAIS SERA QUE É REALMENTE BEBE ???TO MUITO ANSIOSA PQ UNS ME FALAM QUE EU TENHO QUE ESPERAR UM MES PARA FAZER O EXAME DE NOVO UNS DIZ PRA EU COMPRAR OS TESTE DE FARMACIA ENTAO JA TO CONFUZA AMIGA ME DA UMA POSISSAO VC QUE TEM O BLOG TEM VARIAS MULHERES A SIM COMO EU CONFUZA ME AJUDA MARIANA BJUSSS

    [Reply]

    Mariana Reply:

    VC precisa ir ao médico :)

    [Reply]