GMPV #05 – Preparando sua vida

Em 20.10.2014   Arquivado em Maternidade

Chegamos ao último passo para uma gravidez tranquila! Você deve estar pensando: “Ufa! Não aguento mais tanto pré-requisito pra engravidar!” Hahaha… Mas na verdade esses pré-requisitos só te ajudam a curtir e focar no mais importate, que é sua gestação e o novo membro da família que está chegando.

Então, como eu sempre costumo dizer aqui no blog, POR ÚLTIMO MAS NÃO MENOS IMPORTANTE, você precisa preparar sua vida pra receber o mais novo membro da família. Mas como você faz isso?

Você já deve ter visto essa cena aqui:

É uma tirinha engraçada, mas muitas vezes as mães realmente entram em desespero com o fim da licença maternidade (sei que algumas vezes não é o motivo que eu vou citar), mas acredito que o principal deles é porque não SABE o que vai fazer com o filho.

É normal as mães voltarem a trabalhar enquanto deixam o filho provisoriamente com algum membro da família, só até arrumarem outra solução.

É normal também arrumarem uma creche só depois que já voltaram a trabalhar, e as mães precisam ficar fazendo a adaptação do filho durante o período que deveriam estar trabalhando. Aí você escuta do patrão: “Mas você não poderia ter pensado nisso antes?” Dá raiva escutar isso, mas é a verdade.

Muitas meninas engravidam, e depois que o bebê já está chutando é que se dão conta que ele vai sair de lá e vai ser mais um membro da família, e que vai participar ativamente desde o dia do nascimento. Você precisa saber o que vai fazer com ele, como as coisas vão ser depois que ele nascer, por exemplo:

– Depois que ele nascer eu vou continuar trabalhando?
(Se sim) Onde e com quem ele vai ficar enquanto eu estiver trabalhando?
(Se não) Como vamos nos arranjar financeiramente, com uma fonte de renda a menos e uma boca a mais?

Vou falar no meu caso. Desde que estávamos namorando, nós combinamos que depois que nossos filhos nascessem, eu ia ficar em casa, pelo menos nos primeiros anos, pra criar nossos filhos. Então já sabíamos que chegaria o dia que teríamos uma fonte de renda a menos e uma boca a mais. Quando minha licença-maternidade no trabalho acabou, foi um alívio eles terem me mandado embora, porque eu ia pedir demissão e perder uma graninha boa a mais que entrou quando fui demitida. Mas já estava preparada pra isso. Nós já sabíamos que se eles não me mandassem embora, eu ia pedir pra sair. Isso acalmou meu coração de mãe, porque eu sabia que meu filho ia continuar comigo.

É muito ruim você passar toda a sua gravidez e licença-maternidade agoniada com a solução que você precisará dar daqui a uns meses. Quais são as opções que você tem?

Ficar em casa com seu filho

Pra mim (opinião pessoal), essa é a melhor opção, mas infelizmente nem todas as pessoas têm essa escolha. Ter uma renda a menos e uma boca a mais em uma casa que já está no limite financeiro não é uma possibilidade. Mães separadas, viúvas ou solteiras também podem não ter essa escolha. Ninguém cuida melhor do seu filho do que você, não tenha dúvidas disso. Ms se você for escolher isso (yaaaay!!!), é bom voltar ao passo 4 e rever as finanças.

Colocar seu filho em uma creche do Governo

Essa é uma segunda solução viável. Como a maioria das licenças-maternidades são de 4 meses, é nessa época que ele já tem que se “desgrudar”, pra você voltar ao trabalho. Existem sim creches do Governo que são muito boas! Mas pelo menos aqui no Rio, as creches só aceitam a partir dos 6 meses, o que pode complicar bastante nesses 2 meses intermediários.

Pra você optar por essa solução, tem que levar em consideração alguns fatores:
– Você precisa ter um plano definido sobre onde vai ficar seu filho dos 4 aos 6 meses;
– Nem toda escola do Governo tem uma creche junto, então muitas vezes você pode não consguir um local pra deixar seu filho exatamente onde gostaria;
– Algumas creches do Governo são por inscrição e outras por sorteio, então talvez você não consiga colocar seu filho exatamente no período que precisa.

Colocar seu filho em uma creche particular

Essa solução é viável, dependendo da sua renda. Já ouvi falar de muitas mamães que preferiram sair do trabalho e ficar em casa, porque creches particulares eram muito caras, e colocando na ponta do lápis, elas iam precisar pagar pra trabalhar, literalmente. Então essa é uma solução pra uma família que tem os 2 no casal que trabalham, e ganham relativamente bem.

Pra você optar por essa solução, tem que levar em consideração alguns fatores:
– A média de preço de uma creche particular pelo Rio é de R$1000 por mês, por 12 horas de serviço (sendo em alguns bairros bem mais do que isso);
Além da mensalidade, na creche você ainda leva todos os itens de higiene pessoal do seu filho TODA SEMANA, como fralda, pomada, lenço umedecido, pasta de dente, e em alguns locais até o lençol que vão colocar no berço (PASMEM!!).
– Algumas creches fazem entrevista com a família pra ver se a criança se enquadra no perfil da escola, então você pode ser recusado;
– Tem época de matrícula, normalmente no começo e no meio do ano, e fora isso é muito difícil achar uma escolinha que aceite uma criança fora desse período.

Colocar uma babá pra cuidar do seu filho em casa

Eu tenho muitas ressalvas com essa solução, mas vamos lá.

Antes eu quero contar o que aconteceu comigo, não foi com a vizinha. Eu já apanhei muito de babá, porque ela descontava todas as frustrações e raiva da vida dela em mim. Além disso, como minha irmã era pequena e dava trabalho, ela dava remédio pra minha irmã dormir. Meus pais descobriram que ela fazia isso quando eu fiquei com meu corpo roxo e uma ocasião que minha irmã ficou dormindo muito e minha mãe tentou acordá-la e não conseguiu. Hoje eu poderia ser filha única novamente por uma palhaçada de uma pessoa que simplesmente não queria ter trabalho de cuidar de uma criança que estava aprendendo a andar. Além disso, depois que meus pais mandaram ela embora é que começaram a ter a real noção de tudo o que ela tinha roubado dentro de casa. Roupas de bebê minhas que minha mãe guardava de recoração, presentes de casamento que ainda estava na caixa, que depois realmente só tinha a caixa. Eu NUNCA daria a solução de colocar uma babá pra tomar conta do meu filho, sozinha, dentro da minha casa. E nem algum idoso, porque a situação é a mesma. Até hoje inclusive eu tenho MUITA dificuldade de ter uma pessoa pra fazer uma faxina aqui, porque eu desconfio de todo mundo. Sei que estou sendo tendenciosa com essa solução, mas nunca disse que teria o compromisso de ser imparcial com vocês. Tudo o que eu escrevo no blog é a minha visão e vivência de vida.

Pra não ser injusta, tenho uma colega que colocou babá em casa, a filha tinha meses de vida, e até hoje a mesma babá ainda permanece na família, e agora a menina tem 8 anos. Não são todos os casos trágicos de babá, alguns podem sim dar certo.

Se você quiser usar essa solução, observe o seguinte:
– Evite deixar a babá sozinha com a criança, pelo menos nos primeiros meses, pra você ter certeza de como é o humor e o cuidado da pessoa com o seu filho.
– Contrate alguém por indicação, que já tenha tido boas experiências com pessoas conhecidas.
– Hoje em dia é muito difícil você encontrar alguém que queria trabalhar dentro da sua casa na informalidade, então veja bem se é uma solução financeira viável.
Eu colocaria também muitas câmeras escondidas e daria muitas incertas em casa.

Deixar seu filho com um membro da família

Nesse caso, é bom se certificar que o membro da família tem TOTAL certeza da responsabilidade que está aceitando, porque ficar com um bebê de 4 meses é bem fácil de controlar, mas uma criança de 1 ano correndo por todos os lados e mexendo em tudo é BEM diferente.

Além disso, é bom ter aquela conversa, e pedir pra que a pessoa respeite a decisão dos pais de como criar os filhos. Dentro da família isso às vezes é bem difícil, principalmente se for deixar com umas das avós, porque você está sujeito a escutar aquela famosa frase: “Eu não criei vocês com essa palhaçada toda e vocês não morreram, não é?”

Deixar com alguém da família pode ser muito bom porque você sabe que está cuidando com carinho e não está gastando nada, mas ao mesmo tempo pode gerar um monte de outros problemas que talvez você não queira enfrentar. Então pense bem antes de dar essa solução pro seu filho… rsrsrs…

Trabalhar meio período

É tão difícil hoje em dia você conseguir um trabalho de meio período!! Pelo menos aqui no Rio eu não vejo muitas vagas com esse perfil, mas eu sei sim que é possível (principalmente em telemarketing).

Quando você trabalha meio período, você ainda tem a chance de trabalhar fora, ter seu dinheiro, mas ao mesmo tempo, se seu filho ficar com alguém da família ou na creche, será por muito menos tempo, e o custo da creche será bem menor. Depois de 2 anos, você pode trabalhar somente no tempo em que ele está na escola, e fica tudo perfeito.

Eu acho uma solução muito boa mesmo. Se você souber de alguma vaga de meio período, pode encaminhar pro meu e-mail? Rsrsrs…

Trabalhar home office

Essa é uma solução um pouco mais trabalhosa e que requer mais planejamento por parte de toda a família, mas é sim possível. Existem muitas mamães que desenvolvem um espírito empreendedor durante a gestação, e acabam planejando negócios muito rentáveis. Além disso, algumas empresas (normalmente são empresas grandes, multinacionais, que já trazem essa ideia de países de fora) já têm vagas home office, no qual você é um funcionário formal que trabalha em casa.

Pra isso, é bom observar:
– Se você for ficar sozinha em casa com o bebê, terá que ter muita disciplina pra dar conta da casa, do filho e do trabalho;
– Seu parceiro precisa ter total noção do que é estar em home office, e precisa colaborar pra que o plano dê certo;
– Caso seja uma ideia de um novo negócio, tem que levar em consideração o dinheiro que você vai precisar investir inicialmente;
– Caso seja uma vaga em uma empresa formal, tenha certeza de ter o aparato minimo pra trabalhar tranquilamente em casa, com conforto e sem ficar ouvindo a Peppa o dia inteiro.

Espero ter ajudado vocês com esse último passo para uma gravidez tranquila. Sei que se vocês seguirem esses passos a chance de ficar desesperada ou dar alguma coisa muito errada vai ser bem menor.

Ainda não cabaou, viu? Segunda que vem eu volto pra dar um BÔNUS pra vocês! :)

  • Miriam

    Em 20.10.2014

    Ahhhh… pra mim (como vc já deve estar cansada de escutar…) ainda tá bem longe, mas isso é uma das coisas q eu mais penso!
    Pq não pretendo parar minha carreira, mas, de fato, na nossa sociedade ainda não existe suporte suficiente para conseguir dar conta de tudo. Minha primeira opção será a creche… mas e depois q a criança vai pra escola? como fica…? escola integral no Rio é raro e aposto q devem ser os dois olhos da cara, mais os dois rins. Assim como você, não tenho a menor vontade de contratar alguém para ficar na minha casa… Vivo falando isso pra minha mãe e ela responde “rá, tá bom, quero ver quando tiver filho” huahuahua. Então, vamos torcer pra eu ganhar na loteria pra conseguir pagar a escola integral, se não talvez precise pagar pela minha língua! kkkkkkk

    [Reply]

    Mariana Reply:

    mas mi… uma creche integral normalmente é mais caro que uma escola integral… grunf!!!
    aí perto de vc, uma escola integral está por volta de R$1300 com bal[e e natação, minha afilhada estudava até ano passado numa aí pertinho da sua casa 😉
    bjossssssss

    [Reply]

  • Nanda

    Em 20.10.2014

    Marina eu escolhi ficar em casa com minha segunda filha
    na primeira não pude e tive que ter
    babá, amei suas dicas

    Linda Tarde
    beijokas da Nanda

    Mamãe de Duas
    Google+Nanda

    [Reply]

    Mariana Reply:

    😉

    [Reply]