Butterfly Soul
Rascunho Literário
Guia para Mamãe de Primeira Viagem
BS no Youtube

Meu Espírito de Natal

Sei que neste momento deve estar todo mundo com suas famílias comemorando pra caramba, trocando presentes, ou dormindo depois de uma super madrugada acordada. Sei que amanhã (ou ainda hoje) começam os posts dos blogs mostrando tudo que ganharam, ostentando pequenas fortunas materializadas em IPhones, viagens, maquiagens MAC, perfumes importados, bolsinhas Chanel. Realmente você não verá isso aqui.

Não porque eu não possa ter isso, mas porque eu prefiro não ter isso. Não ligo pra isso. Não cresci aprendendo que essas coisas são importantes, e pra mim, elas realmente não são importantes. Aprendi a dar valor a outras coisas.

Quando eu penso no espírito de Natal, penso em gratidão, em família. Penso na minha mãe, nos sacrifícios que ela fez pra hoje eu estar aqui, viva, crescida, me sustentando sozinha e gorda de tanto comer (hahaha). Penso em como passamos dificuldades há anos atrás, penso em como ela trabalhou duro pra dar uma vida digna pra mim e pra minha irmã, acordando de madrugada pra comprar produtos no Mercadão de Madureira, com os pesos enormes voltando de ônibus. Penso nas vezes que ela deixou de comer pra nós comermos, penso em dificuldades financeiras tão grandes que nós abríamos com a tesoura as pastas de dente pra raspar as pastas que ficavam dentro do tubo, mesmo depois de espremendo (e olha que fica coisa pra caramba). Penso nas vezes que ela ficou esperando o sacolão acabar e pegou as frutas e legumes que ninguém queria comprar, pra poder comprar por preços mais baratos, ou os feirantes davam pra ela. Penso em quantas vezes ela não comprou coisas pra ela, dizendo que não precisava, pra poder pagar a escola minha e da minha irmã. Todos esses sacrifícios invisíveis se transformam no meu espírito de Natal, no meu espírito de gratidão. Um espírito que talvez ninguém sinta, que seja só meu. Um espírito que minha irmã não sinta por não se lembrar ou nunca ter tido conhecimento de muitas dessas coisas. Um espírito que talvez minha mãe não sinta por não saber que eu sei que essas coisas aconteciam.

Natal pra mim é quando eu vejo a cada dia meu marido acordar pra trabalhar, e depois de um dia cansativo, ainda ir pra faculdade à noite, chegar em casa e desmaiar de cansado, mas ainda ter coragem de acordar no sábado às 5h da manhã pra fazer cursos especializantes. É ver seus olhos brilhando a cada conquista e ver seu esforço para termos nossas coisinhas e sua preocupação comigo.

Natal pra mim é ver minha sogra trabalhando em 3 lugares pra sustentar a casa, de domingo a domingo, se desdobrando em mil pra fazer tantas coisas…

Natal é ver as pessoas a cada dia ajudando umas às outras.

Natal pra mim não é o dia 24 e 25, é o espírito de gratidão que você tem por sua família, depois do um ano inteiro lutando juntos. Se essa luta em conjunto não existe, se esse espírito de união não reina durante o ano, pra mim não existe Natal.

Não fico triste em dizer que esse ano, tudo que gastei a mais no orçamento da família foram 2 refrigerantes, um tender, uma massa para brownie e R$20 reais por pessoa para uma lembrancinha. Não fico triste mesmo! Fico feliz, por poder comprar um tender, 2 refrigerantes, uma massa para brownie e dar uma lembrancinha para cada um. Quantas pessoas não podem nem isso! Fico é MUITO FELIZ, porque apesar desse ano ter sido bem difícil (emocionalmente), eu tive o apoio da minha família pra cada coisa que eu precisei. O resto, é resto…

Metas para 2017
{Teatro} VeRo – Cia de dança Déborah Colker
Eu e minha mania de Hermione Granger

2 comentários
  • Mari

    Lindo texto, Mari. E tudo o que você falou é muito verdade. O que adianta tanta falsidade e maldade para em dezembro desejar "Feliz Natal"? Natal é amor e união o ano inteiro…
    Beijos

    [Reply]

    Mariana Cruz Reply:

    é isso aí! até enfim alguém entende meu ponto de vista \o/
    bjos

    [Reply]

    Responder