Butterfly Soul
Rascunho Literário
Guia para Mamãe de Primeira Viagem
BS no Youtube

Meu sonho é ser uma palmeira

No dia em que eu quis refletir sobre meus problemas, fui à praia. Sempre tive esse hábito, de me recolher em algum lugar pra pensar, refletir, ponderar. Muitas vezes parei na Pedra do Arpoador, muitas vezes parei na praia, ou algum parque ou praça.

Me lembro que era fim de tarde e estava ventando bastante. Fiquei horas observando como o vento batia em uma palmeira próxima a mim, como ela curvava, como todas as folhas iam pro lado, mas ela não caía. Poderia ser um vento muito mais forte do que aquele, e no dia seguinte ela estaria ali, como de costume, na posição de sempre, como se o vento nunca tivesse passado.

Pode ser que você já tenha tido essa reflexão com as palmeiras, mas naquela hora, foi a primeira vez pra mim. Foi há muitos anos. Se hoje você me perguntar em qual praia eu estava, não vou saber dizer. Muito provavelmente em alguma da Zona Sul do Rio, mas isso não foi importante.

Voltei pra casa, na época ainda solteira e morando com minha mãe. Fiquei dias com a imagem da palmeira ao vento na minha cabeça. Porque veio a ventania, ela curvou, mas logo voltou ao normal. Quantas árvores caem todo verão com os ventos fortes? Mas acho que nunca vi uma reportagem de palmeiras que caíram.

Depois, fui descobrir que a palmeira, pra mim, é o melhor exemplo pra resiliência. Não sabe o que é? Eu digo (vi no dicionário):

Resiliência
1. propriedade que alguns corpos apresentam de retornar à forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica.
2. capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças.

Quem dera ser uma palmeira! Quem dera poder me resignar totalmente e me adaptar às mudanças e às más notícias que acontecem comigo. Queria saber rir mais de mim mesma. Isso é uma meta pra vida, porque não se nasce resiliente. A cada dia quero ser menos uma árvore e mais uma palmeira. E pra isso, a busca é profunda. Preciso me conhecer, me entender, entender muitas coisas à minha volta, me resignar, ter fé, parar de olhar pra mim e olhar à minha volta… Tantas coisas!

Hoje eu não sou mais árvore, mas ainda não sou palmeira. Um dia eu chego lá…

Metas para 2017
{Teatro} VeRo – Cia de dança Déborah Colker
Eu e minha mania de Hermione Granger

8 comentários
  • Nana

    Gostei da sua comparação. Tomara que a gente consiga chegar a ser uma palmeira.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

    [Reply]

    Mariana Reply:

    pois eh… to batalhando pra isso rs… bjos

    [Reply]

    Responder
  • Rithynha

    Taí uma vontade que também tenho e não sabia expressar dessa forma: Ser uma palmeira.

    Acho que só o tempo e a cada vento novo, encurvar um pouco menos, vão nos dar essa capacidade resiliente!

    O começo já está bom: A vontade!

    Boa sorte! Beijos!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    😉

    [Reply]

    Responder
  • Chell

    Post lindo!!!! =D
    Esse fim de semana fiquei fendo o mar por muito tempo também, encarando ele… esses momentos são importantes né?

    [Reply]

    Mariana Reply:

    sim, a pausa é importante 😉
    bjos

    [Reply]

    Responder
  • Patricia Dias

    Que interessante a sua análise! Tbm gosto muito de ir pra locais calamos refletir sobre a vida. Amo olhar pras estrelas. Aqui na região metropolitana do Rj não é tão bonito quanto no interior. Vou sempre a Saquarema e deixo no jardim pra contar estrelas cadentes…muito lindo!
    Sempre estamos em busca de sermos melhores que ontem e isso pra mim é natural, vem com o amadurecimento!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    😉

    [Reply]

    Responder