O que não falar para seu filho

Em 10.07.2014   Arquivado em Maternidade

De vez em… quase sempre (infelizmente) eu vejo por aí algumas mães com seus filhos falando umas coisas que me dá vontade de denunciar pra ela perder a guarda! Parece um pouco forte demais isso, mas eu fico revoltada com algumas coisas que eu vejo por aí pela rua. Tudo que principalmente nós, mães, falamos para nossos filhos, fica gravado eternamente. O que nós dizemos pode influenciá-lo a ser uma pessoa confiante e segura de si, cheia de autoestima, mas o contrário também é verdadeiro. Não sei se todas as mães têm consciência disso, e prefiro acreditar que as mães que eu vejo na rua chamando o filho de babaca, lerdo e etc (entre outras pérolas que eu já vi por aí) simplesmente não sabem o dano que estão fazendo ao seu filho.

Separei alguns tópicos que devemos ter cuidado ao lidar com nosso filho:

Falar Palavrões

Não adianta dizer depois que seu filho mata você de vergonha quando ele xinga uma amiguinha em alto e bom som de vaca no meio da festinha de um ano dela. Se você xinga em casa, se fala palavrões, ele vai fazer o mesmo. Os filhos são o que se passa dentro de casa.

Xingar / Rotular seu filho

Chamar seu filho de qualquer coisa negativa faz com que ele acredite que é assim.
Pense: as pessoas que ele tem como exemplo são principalmente os pais, quem sempre os protegeu foram os pais. Se você diz que ele é burro, ele vai crescer acreditando que é burro. Isso serve pra qualquer apelido de mau gosto, xingamento ou rótulos que você possa pensar em colocar no seu filho.
Conheço uma menina que cresceu escutando que ela tinha que comer o resto da comida dos irmãos mais novos, porque comida era muito cara e tinha muita gente passando fome pelo mundo. Resultado: ela cresceu se sentindo literalmente um lixo.

Gritar

Você mostra ao seu filho através do seu exemplo como ele deve se relacionar com as outras pessoas, como deve ser a comunicação. Se ao pedir pra ele fazer alguma coisa (ou parar de fazer) você grita, ele vai fazer o mesmo e vai crescer acreditando que ao gritar ele ganha a “briga”.

Mentir

Seu filho não é burro. Não pense que ele é, jamais! Ele sabe quando você mente pra ele, sabe quando você mente pra outras pessoas. Se você dá esse exemplo, não espere nada melhor do que isso.
Exemplo prático que eu vi ao vivo (e me fez rir um bocado): Uma mulher convidou sua amiga pra ir até a casa dela lanchar com o filho. A amiga respondeu: “Não podemos, temos compromisso agora!” O filho indignado fala: “Mãe! Você está mentindo! Você acabou de dizer que a gente estava indo pra casa!” #tomaessa

Comparar com outras pessoas

Seu filho 1 não é igual ao filho 2. Seu filho não é igual ao filho da vizinha! Entenda isso! Seus filhos são indivíduos, e têm suas características, defeitos, qualidades, pontos fortes, pontos fracos. Comparar o ponto forte do filho 1 com o ponto fraco do filho 2 faz com que o filho 2 se sinta um lixo, e sua autoestima vai lá no pé. Eu fico pra morrer quando eu vejo isso! É uma sacanagem! Exalte as coisas boas de cada um, e se tiver que chamar a atenção pelas coisas ruins, faça, mas não comparando com outra pessoa.

Rir dos erros / defeitos / dificuldades dele

Você já viu aquelas crianças que você faz uma pergunta, ela não sabe responder mas diz que sabe e não fala nada? Conheço algumas assim. E em todos os casos (pelo menos que eu conheço) isso acontece porque a criança simplesmente tem vergonha de dizer que não sabe. Mas por que, minha Santa Margarida, uma criança tão pequena já tem vergonha de não saber alguma coisa? Ela não sabe tudo, você não sabe tudo, eu não sei tudo, ninguém sabe tudo! Quando você ri, caçoa, faz a criança se sentir diminuída, por um erro que ela cometeu, ou por alguma coisa que ela não saiba, ela começa a se sentir constrangida de dizer que não sabe, ou de errar. Deixa a criança errar, minha gente! É assim que se aprende! Que tenso!

Dizer apenas sim

Faz um favor pro seu filho, pra mim e pra sociedade? Diga não pro seu filho quando precisar. Só dizer sim vai fazer seu filho crescer achando que pode tudo, e na verdade tem um mone de coisas que ele não pode fazer, um monte de regras e condutas sociais que ele precisa aprender. É nessa fase que ele precisa começar a saber disso! 😉

Foi um texto grande mas espero ter me expressado claramente. Crianças são como quadros brancos, e quem escreve nele são os pais. Depois que escreve já foi, não adianta reclamar depois. #bjonasmamães

  • Miriam

    Em 10.07.2014

    Ótimo texto, Mari!! Muito pertinente! O mais importante é o “dizer não” hehehe! A falta de educação tá braba… Mas um exemplo q cresci observando é da comparação, terrível! Pra filha mais nova a mãe espalha para todos o quanto ela é estudiosa e dedicada, quando o assunto é a mais velha, desde q a menina devia estar no ca, a menina “não gosta de estudar”… O resultado foi óbvio, a mais nova está se empenhando só máximo pra passar numa federal e a na velha “se aceitou” e não quer mais saber de curso nenhum agora q acabou a escola… Ela não precisa fazer faculdade se pra vocação dela não for necessário, mas ela sequer sabe do que ela gosta, talvez pense que não tem talentos…

    [Reply]

    Mariana Reply:

    nossa… essa é a realidade!!!
    conheço muita gente mesmo com traumas e questionamentos por causa do tipo de criação que teve, as coisas que viu e ouviu dos pais… ou pior, que NÃO viu nem ouviu…
    bjinhus 😉

    [Reply]

  • clay

    Em 10.07.2014

    Não tenho filho, mas tenho sobrinhos e me policio muito o que falar, o que mostrar…
    Acho isso fundamental na educação de qualquer criança

    [Reply]

    Mariana Reply:

    😉

    [Reply]

  • Blog da Mariana Cruz » GMPV #Bônus – Comece a sonhar

    Em 10.07.2014

    […] Super Nanny na sua casa. Ensinando meu filho a escovar os dentes Rodrigo na piscina de bolinhas O que não falar para seu filho – Uma reflexão sobre o que devemos falar e não falar para nossos filhos Deixa ele ser […]

  • Miriam

    Em 10.07.2014

    Muito bom, eu sou pedagoga e penso exatamente como você. Sei que às vezes ficamos extremamente estressadas com certas situações e acabamos descontando nas crianças, mas temos que contar até dez, respirar e tentar resolver a questão sem agressões verbais ou até mesmo físicas como acontece muito.
    Parabéns , quem ler seu texto, com certeza vai passar a ter uma outra percepção das coisas. E se não colocar de imediato em prática, pelo menos vai se lembrar e quem sabe amenizar dia a dia e tentar se controlar na hora de gritar, xingar ou bater.

    [Reply]

    Mariana Reply:

    obrigada <3

    [Reply]