Butterfly Soul
Rascunho Literário
Guia para Mamãe de Primeira Viagem
BS no Youtube

{Livro} O Pequeno Príncipe – Antoine de Saint-Exupéry

Título: O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Editora: Agir

Sinopse:
À primeira vista, um livro para crianças. Na definição de Antoine Saint-Exupéry, seu autor, "um livro urgentíssimo para adultos", o que talvez explique a extraordinária sobrevivência literária de O Pequeno Príncipe. Publicado pela primeira vez em 1943 na Nova York em que foi escrito e, no ano seguinte, na França, o livro chegou à Agir com o componente de acaso que, em geral, cerca a edição de fenômenos editoriais, já que a obra havia sido comprada por outra tradicional editora brasileira, que desistiu da publicação. Traduzida primorosamente por D. Marcos Barbosa, a versão brasileira chegou à livrarias em 1952, tendo vendido desde então mais de 4 milhões de exemplares.
Le Petit Prince, The Little Prince, El Principito, Der Kleine Prinz – em qualquer uma das mais de 150 línguas em que é publicado, causa encanto a história do piloto cujo avião cai no deserto do Saara, onde ele encontra um príncipe, "um pedacinho de gente inteiramente extraordinário" que o leva a uma jornada filosófica e poética através de planetas que encerram a solidão humana em personagens como o vaidoso, capaz de ouvir apenas elogios; o acendedor de lampiões, fiel ao regulamento; o bêbado, que bebia por ter vergonha de beber; o homem de negócios que possuía as estrelas contando-as e encontrando-as em ambição inútil e desenfreada; a serpente enigmática; a flor a qual amava acima de todos os planetas.


Minha classificação: Minha opinião:
Conforme o previsto nesse post aqui, realmente eu demorei 1 dia pra ler o livro. Já comecei me decepcionando (comigo mesma), quando logo no começo do livro, eu também achei que o elefante comido por uma cobra era apenas um chapéu.

A partir daí eu comecei a prestar mais atenção no livro, pra ver como eu tinha me tornado uma adulta sem imaginação.
Durante todo o livro eu fui aprendendo com o Pequeno Príncipe, chorando com as lembranças que ele contava ao homem no deserto, que está sempre ocupado demais, com pressa demais. E não somos todos adultos assim? Sempre estamos com pressa demais, temos coisas mais importantes a fazer, números a contar, coisas importantes a executar.
Esse pode ser um livro de fantasia, mas não é um livro pra criança. Quando alguém leu pra mim e eu era uma criança não me lembro de ter aprendido com ele. Mas agora sim. Aprendi muito, me arrependi de muitas coisas, e terminei o livro com o espírito renovado, com vontade de melhorar!
Vai ficar pra memória e na fila pra reler periodicamente! Maravilhoso! 😉

Abaixo separei alguns trechos que eu gostei muito e me fizeram refletir:

“Tu julgarás a ti mesmo – respondeu o rei. – É o mais difícil. É bem mais difícil julgar a si mesmo que julgar os outros. Se consegues fazer um bom julgamento de ti, és um verdadeiro sábio.”

“É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas. Dizem que são tão belas.”

“Quando olhares o céu à noite eu estarei habitante uma delas, e de lá estarei rindo; então será, para ti, como se todas as estrelas rissem! Dessa forma, tu, e somente tu, terás estrelas que sabem rir.”

A HERANÇA DE ANA BOLENA, de Philippa Gregory | Rascunho Literário
PROMETO FALHAR, de Pedro Chagas Freitas | Rascunho Literário
A IRMÃ DE ANA BOLENA, de Philippa Gregory | Rascunho Literário

7 comentários
  • Miriam

    :)
    Falei que vc ia gostar!! hehehe!!
    Há um tempo atrás tinha me proposto a reler esse livro pelo menos uma vez ao ano… Talvez seja hora de retomar ao que sugeri a mim mesma!

    [Reply]

    Mariana Cruz Reply:

    é uma ótima ideia 😉

    [Reply]

    Responder
  • Aninha

    Nossa, que legal Mariana! Não imaginava que o livro se tratava de uma história voltada para ensinar os adultos através das metáforas como "o homem de negócios que possuía as estrelas contando-as…". E o que você disse é pura verdade.

    Depois de algum tempo, nós nos tornamos reféns do tão falado "sistema", que faz com que a gente olhe sempre para as "coisas importantes", que no final das contas, nem eram assim tão importantes, tão urgentes. Acho que as vezes nos deixamos levar pelas responsabilidades e esquecemos de aproveitar certas coisas que o dinheiro não proporciona. Eu que o diga… estou sempre correndo, sempre com pressa, sempre tem algo a mais pra fazer, preocupações a MIL na cabeça. SEMPRE.

    Depois de ler sua resenha quero ainda mais ler esse livro!

    Beijos!

    [Reply]

    Mariana Cruz Reply:

    ai menina, é isso mesmo… esse livro me fez refletir o que é importante na vida, quais prioridades devo colocar pra mim
    acho que vc vai gostar da leitura 😉

    bjos

    [Reply]

    Responder
  • Gabi Barbará

    Esse livro marcou minha infância e infernizou a minha mãe. Eu passava o dia perguntando pra ela o porque de tudo que acontecia no livro. Fiquei com vontade de reler agora. Quem sabe quando eu voltar pro Brasil?

    Beijos das Filipinas,
    Gabi Barbará
    Barbaridades!

    [Reply]

    Mariana Cruz Reply:

    hahahahaha coitada da sua mãe! 😛
    reler eu acho que é sempre melhor, pq vc fica mais atento aos detalhes :)
    bjos

    [Reply]

    Responder