Finalmente a mini pessoa está saindo da toca!!!

Em 21.09.2015   Arquivado em Maternidade

Pessoas um pouquinho mais próximas a mim com certeza já escutaram minhas preocupações sobre o Rodrigo, Rodelícia ou mini pessoa, como queira chamar. Rs… Isso porque eu sou muito encucada com o desenvolvimento do meu filho. Na época da gravidez tomei vitaminas a mais que ajudavam o desenvolvimento do cérebro do bebê, sempre colocava música clássica e outras boas músicas (Beatles, Phil Collins), e desde que ele nasceu, sempre estimulei muito.

Quando outras crianças com a mesma idade dele (e algumas mais novas) conseguiam fazer tal coisa e ele não fazia, eu começava a ficar super preocupada se meu filho estava atrasado em alguma coisa. Assim foi pra tudo: dentes, engatinhar, andar… Ele fez 1 ano e não andava ainda, enquanto as outras crianças do nosso convívio já andavam com essa idade. Ele foi dar os primeiros passinhos de verdade 15 dias depois do aniversário.

No começo desse ano coloquei Rodrigo numa escolinha escolhida a dedo pra ajudar no desenvolvimento e liberar meu dia pra eu poder voltar a trabalhar. Achei que o estímulo com outras crianças ia ajudar meu filho a ter um desenvolvimento mais rápido, mas minhas expectativas foram em vão. E a minha maior preocupação era a interação que ele tinha com outras pessoas. Cheguei a conversar com a professora e a psicóloga da escola, e a resposta foi: “Mamãe, cada criança tem seu tempo. Ele interage bem com as crianças, mas quando cansa ele pega o brinquedo e vai pro canto da sala brincar sozinho.” Como essa resposta não acalmou meu coração, continuei em casa fazendo tudo que eu podia.

O que me deixou mais preocupada ainda foi quando ele começou a não desenvolver a fala. Crianças bem mais novas que ele já falavam “mamã” e ele nada. Mas finalmente, essa semana, com 1 ano e 11 meses, ele desandou a falar, coisa que eu mal acreditei. Cheguei a chorar de emoção (pode rir, mãe é bicho bobo mesmo). Ele apontou pra Lua e falou “Lua”!!! Começou a falar “Ô Toodles!” da Casa do Mickey. Agora conta de 1 até 10. De vez em quando solta umas palavrinhas novas, mesmo que a pronúncia não seja perfeita ainda. Nossa… Agora acho que meu coração está começando a acalmar, porque eu ia ficar muito frustrada se meu filho fizesse 2 anos e não falasse nada.

Se bem que… né… ele não fala mamãe ainda. :(

Mamãe Home Office: Como se organizar

Em 27.07.2015   Arquivado em Aleatórios

homeoffice

Olá galerinha! Como vocês estão?

Na verdade eu nem sei se eu tenho know-how suficiente pra fazer esse post, tendo em vista que eu realmente ainda preciso melhorar muito no meu processo de organização para ser uma mamãe home office satisfatória, ao meu ver. Porém, depois de quase 2 anos em casa com bebê, acho que já sei tirar de letra bem mais do que no começo. Então vambora… 😛

O que mais desespera uma mulher quando ela resolve fazer home office é o acúmulo de tarefas. Isso é fato. Tem a casa toda pra cuidar e administrar, e só isso, por si só, já é trabalho pra caramba. Mas adicionado a isso tem a família que mora com ela debaixo do mesmo teto e mais o trabalho. No meu caso, ainda tenho a igreja e a faculdade. Então, tem dias que dá vontade de chorar. Até hoje. Parece que as tarefas nunca acabam. E principalmente, tem dias que parece que você tem um mês de trabalho acumulado pra realizar, em todas as áreas.

Eu estava vivendo num verdadeiro caos esses últimos tempos com esse maldito acúmulo de tarefas. Se com as funções de mãe, dona de casa, blogueira e líder na igreja eu já surtava, quando adicionei o status estudante a coisa piorou de vez. Eu acordava num pulo todo dia de manhã, com o Rodrigo chorando de fome, e aí começava minha vida matinal, já toda errada. Ficava o dia inteiro correndo atrás do tempo, até o ponto de sentar e chorar. Mas com o tempo e com a prática consegui melhorar algumas coisas, pois desenvolvi alguns métodos de organização de tempo e tarefas, que vou compartilhar com vocês aqui.

Lugar de filho é na escola (ou creche)

Primeiro de tudo: não sonhe que você está em casa pro seu filho. Se você trabalha em casa, você trabalha, só que em casa. Nesse tempo, não tem como cuidar do filho. Por isso, é importante saber que lugar de filho é na escola, enquanto você trabalha. Se você quer trabalhar meio período pra ficar o resto do dia com ele, ótimo, coloque seu filho apenas meio período na escola. Mas não se engane que você vai conseguir trabalhar e cuidar dele ao mesmo tempo. Essas duas tarefas não coexistem.

Lista de tarefas (priorizando o mais importante)

Filho na escola? Ok. Então agora é hora de começar a se organizar. Eu utilizo 2 recursos para lista de tarefas: o bom e velho papel, e o Google Keep. Esses dois recursos me ajudam a saber tudo que eu preciso fazer, e os passos pra conseguir realizar.

O papel eu uso listas de coisas urgentes, que precisam ser feitas naquele dia, ou naquela manhã. Já o Google Keep são tarefas mais complexas, que precisam de muitas outras coisas para serem concluídas. Um exemplo: eu preciso fazer um post com uma receita. Então no Google Keep, na lista do blog, lá está o item do post com a receita. Mas no meu papel estão todos os ingredientes que faltam comprar no mercado e o aviso de colocar a câmera pra carregar pra tirar as fotos do post. Sacou?

Assim… essa é uma sugestão. Eu me organizo bem dessa maneira, mas cada um encontra seu próprio método. O importante é entender que você precisa listar tudo que você tem que fazer e priorizar o mais importante e começar por esses. Normalmente nós tendemos a começar pelo mais fácil, e o mais difícil vamos procrastinando. O resultado disso é que chega uma hora que você só tem tarefa super difícil e trabalhosa pra fazer, e nessa hora bate o desânimo e vontade de largar tudo, porque parece que você faz, faz, e nunca dá resultado. Pra evitar isso, a organização e a priorização é super importante.

Estipular horários

Disciplina é a palavra-chave pra quem trabalha de casa. Se o seu filho vai pra escola na parte da manhã, você precisa estipular seu horário de trabalho na parte da manhã. Se quiser, ainda pode subdividir esse horário de trabalho em fases, caso haja necessidade. Mas o importante é entender que horário de trabalho é horário de trabalho. Não rola ir ao mercado, pagar conta, olhar o Facebook. A não ser que essas tarefas façam parte da sua rotina mesmo. Quem trabalha com mídias sociais trabalha com Facebook, Twitter, Instagram… Enfim, tudo isso. Então se você é um desses, ok.

Deixar claro para quem mora com você o seu cronograma

Essa é a parte crítica. Quando você divide a casa com alguém, principalmente se trabalha com mídias sociais, as pessoas acham que você está no Facebook brincando. Ou mesmo que não trabalhe, as pessoas não entendem que você precisa de concentração. A empregada tem que saber que não pode ficar chamando você a cada 15 minutos. Se morar com marido ou mãe, eles têm que entender que você não vai parar pra ver a reportagem imperdível no noticiário ou a receita fabulosa que a Ana Maria está fazendo naquele dia, porque você está trabalhando. Mostre seu cronograma pra todos!!!

O ideal nesse caso é você ter um cômodo onde você monte seu home office, e possa entrar e trancar a porta quando estiver trabalhando. Porém, se não puder fazer isso, somente a imposição dos horários de trabalho e a compreensão dos outros têm que funcionar.

Eu, particularmente, não gosto de home office no quarto de dormir. Porque você não consegue se desligar das coisas. Se você está trabalhando cansado, vai ficar olhando pra cama o tempo todo, vai ser punk. E quando você pára de trabalhar, ainda fica deitado na cama olhando pro computador e relembrando tudo que deveria não lembrar na cama. Se na pior das hipóteses precisar mesmo fazer no quarto, pode colocar um biombo ou uma estante como recurso pra separar as áreas de trabalho e dormir.

Tipo assim:

É um exemplo liiindo. Além de estar separada por uma estante, ainda tem uma cortina com trilho no teto pra você isolar a cama. Esse é um ótimo recurso pra quem não tem outro cômodo pra montar a área de trabalho.

Não se iluda

Você não vai conseguir fazer tudo sozinha. Não tenha essa ilusão. Quando trabalhamos de casa, trabalhamos mais do que no escritório. De casa, é tudo por sua conta, e você tem que dar conta. E principalmente no começo, o trabalho pode ser que não seja tão rentável, então você precisa trabalhar mais horas pra poder fazer a mesma quantia.

E o que isso quer dizer?

Que não adianta se iludir com a imagem da Mulher Maravilha achando que você vai acordar, arrumar o filho, levar pro colégio, voltar, trabalhar, fazer almoço, ir no mercado, fazer faxina, pagar conta, blá blá blá… Isso é humanamente impossível. Minha casa é bem menos arrumada e limpa do que eu gostaria, mas eu priorizei o que eu achei mais importante: trabalhar, estudar, ficar com meu filho. Arrumar e limpar casa entra em 4º lugar, então eu encaro meu “momento Maria” dessa maneira.

E aí? Você é uma mamãe home office? É empreendedora? Conta pra mim como você se organiza? Vamos trocar ideias?

Beijos :)

Um post de mimimi materno…

Em 24.07.2015   Arquivado em Maternidade

Se você não quer ler reclamações maternas, não leia esse post. Porque na verdade, aqui só vai ter mimimi.

Já reclamei um pouco aqui sobre os terríveis 2 anos, mas agora vamos falar sério. Vai piorar ainda? Por favor, me diz que não! Juro, eu queria ter 3 filhos quando era solteira, e agora com um eu estou quase pirando!!!

Eu não tinha noção da quantidade de roupa que suja

Sim, parece que nenhuma fralda nesse mundo segura tanto xixi por uma noite. Praticamente todo dia eu tenho que trocar toda a roupa de cama da criança. Haja lençol, haja pijama, haja cobertor. Nesse frio, as roupas demoram pra secar e tem vezes que eu pego coberta minha e dobro em mil partes pra ficar quentinho pra ele dormir, porque nenhum cobertor secou a tempo.

Além disso, eu não sei o que essa criança faz na creche, que eu mando zilhões de mudas de roupas todo dia, e nunca vem nenhuma limpa dobrada com um bilhete: “Mamãe, aproveite essa roupa pra amanhã. Seu filho não se sujou dessa vez!” Haja água, haja sabão em pó, haja Vanish, haja grana!!!

Eu não tinha noção da quantidade de besteiras

Essa da quantidade de besteiras veio a galope. Ele escala as coisas e quando você vê, está em pé na janela (não morram, eu tenho grade!). Ele quer pular o portão (ainda bem que ainda não conseguiu, mas não sei até quando). Ele aprendeu a abrir a porta com a chave (muito medo!!!). Ele não pode chegar na cozinha que sai correndo pra mexer no fogão. Ele puxa as coisas de cima da pia da cozinha. Ele abre todas as gavetas e portas de armário e usa tudo que ele acha interessante. Se a tampa do vaso estiver aberta, alguma coisa inevitavelmente vai parar lá dentro. E essa lista está só no começo, porque se eu colocar tudo, o post vira só esse tópico.

Eu não tinha noção de que meu tempo não seria mais meu

Eu sou dele. Só dele. Entro pra fazer cocô, ele bate na porta e me chama. Vou tomar banho, ele entra de roupa no box e abraça minhas pernas e se molha todo. Eu quero ver uma série na Warner, ele reclama até eu mudar pro Discovery Kids. Aliás, se eu pego o controle, ele já senta no sofá e fica esperando, achando que óbvio que é a vez dele de ver TV. Então eu desisto e vou ler um livro. Ele vem até mim e me puxa, pra eu sentar do lado dele pra assistir com ele (e cantar e dançar junto).

Eu não tinha noção de como é difícil desfraldar

Ele faz xixi no chão da sala e arregala o olho pra mim, do tipo: “Caraca! Tá saindo alguma coisa do meu pinto!” E lá vamos nós limpar tudo de novo. Ainda não tive experiências com cocô e não estou nem um pouco ansiosa pra isso. Rs…

Eu não tinha noção de como a hora de dormir pode ser terrível

Sábado passado saí de manhã com ele. Fui deixando ele andar (sem pegar no colo nenhuma vez), resolvi um monte de coisas na rua, depois passei no parquinho pra ele brincar, e voltou andando. Chegou em casa, dei almoço e banho e coloquei no berço. Ele dormiu como um anjinho e eu quase gritei: “Yes!” no meio da sala com a minha esperteza. Sentei pra trabalhar e lá fiquei a tarde inteira, com ele dormindo. Quando foi por volta de 17h ele acordou, dei lanche e ele foi brincar no quintal. Fiquei feliz da vida por ele ter dormido a tarde toda como antigamente. Mal sabia eu o que me esperava.

Às 20h, como de costume, fui querer colocá-lo pra dormir. Aí começou a guerra. Ele chorava, gritava, se esperneava, fingia vômito. Uma hora não aguentei mais e tirei ele da cama, sem entender o que estava acontecendo. Liguei a TV e por acaso estava no Discovery Kids. Quando ele escutou a musiquinha da Peppa veio correndo e pulando, gritando: “Êeeee!!!” Ficou grudado na TV até 22:30h. Dei mamadeira, desliguei a luz da sala, coloquei no meu colo, e nada adiantou.

Nota mental: nunca mais deixar ele dormir de tarde mais do que um período de uma hora, ou sua noite vai se tornar um inferno.

Eu não tinha noção do nível de manipulação de uma criança

Quer ver Rodrigo manipulando? Brigue com ele quando ele fizer alguma besteira. Ele vai fazer cara de gatinho do Shrek, vai vir de mansinho do seu lado e fazer carinho em você. Ou vai fazer biquinho pra beijo. Ou então vai fazer cara de bichinho pra você morrer de rir e perder a moral.

Uma vez eu briguei com ele e ele foi até a parede e chorou que nem o Kiko. Meu pai… Naquele dia acabou toda a minha autoridade. Eu ri tanto que sentei no chão… Hahaha…

Eu não tinha noção de como um amor pode ser tão grande

Preciso completar? Rs…

Fico com o “olho suado” só de pensar. É muito bom quando ele vem me abraçar espontaneamente, faz biquinho pra me dar beijo, pega meu rosto com as duas mãos e me dá um selinho. Hahaha…

Ele acorda cantando, e morre de rir das minhas brincadeiras. Sai correndo olhando pra trás pra ver se eu tô indo junto pra pegá-lo. Se eu choro ele faz carinho em mim, e eu não sei da onde ele aprendeu isso, porque nunca ensinei. Se eu pego o cobertor e vou pro sofá ver TV, ele vai no quarto e pega o cobertor dele também e senta do meu lado. Quando eu chego pra pegar ele na escola e ele me vê abre um super sorriso. E só ali meu dia já valeu.

Nunca poderia imaginar que ter filho é tão intenso. É muito tudo, como diz minha tia. Muito trabalho, muita noite sem dormir, muita despesa, muita preocupação e muito amor. :3

10 lições que vou ensinar ao meu filho

Em 17.07.2015   Arquivado em Maternidade

Bom dia borboletas (e borboletos)!

Nesses últimos tempos tenho passado por algumas coisas e presenciado outras (que não valem a pena serem mencionadas aqui). Mas tudo isso tem me ajudado a refletir muito sobre o que eu quero ensinar ao meu filho, pra que ele se torne um homem com H maiúsculo, lá no futuro, quando talvez eu já nem esteja mais aqui.

É claro que minha lista de ensinamentos tem muito mais do que 10 coisas, muito mais até do que 100, porém, estou listando aqui algumas principais:

1- Deus existe sim

Se meu filho irá seguir meus passos religiosos quando for adulto, não sei, mas sou responsável (e sinto muito o peso dessa responsabilidade) de mostrar a ele, ensiná-lo, sobre tudo que acredito. Preciso dizer a ele o quanto acredito em Deus e muitas outras coisas que vem junto a isso. O resto ele precisa descobrir por ele mesmo.

2- Sem ralação você não chega a lugar nenhum

Hoje quando a gente vê tanta gente bem sucedida, com tanto dinheiro, a gente se pergunta: “O que essa pessoa fez pra chegar aonde está?” Muitas vezes a resposta não é tão agradável aos nossos olhos, e acabamos por ficar balançados. Mas sim, todo sacrifício e ralação valem a pena. Apenas uma parcela bem pequena da população acorda com a bunda virada pra lua e ganha dinheiro sem muito esforço. Ou então nasce em bom berço, o que já abre muitas portas. Seres normais precisam se dedicar, ter foco, ralar muito e por muitos anos pra conseguir conquistar algo na vida. E isso é bom, isso faz a gente dar mais valor às conquistas.

3- Você não é especial

Eu cresci (e acredito que toda a minha geração também) ouvindo dos meus pais que eu era super especial e super inteligente. Ou seja, eu cresci achando que eu era um achado, e que as pessoas à minha volta eram sortudas de me terem por perto. E os empregadores de me terem em sua equipe. Acontece que toda a minha geração cresceu da mesma forma, e a realidade nua e crua, é que ninguém é especial. Ou melhor, todos nós somos igualmente especiais, ninguém é melhor do que ninguém.

4- Trate sua mulher como uma rainha

Existe uma frase de Gordon B. Hinckley que eu gosto muito: “Seja bondoso com as mulheres. Elas constituem metade da população e são mães da outra metade.” Essa frase reflete muito o que eu penso. Não, nós não somos o sexo frágil, porque temos uma força emocional muito grande, mas merecemos ser tratadas com respeito e consideração, assim como tratamos os homens. E principalmente se for a sua parceira. Não consigo ver um motivo sequer pra uma mulher ficar ao lado de um homem se ela não se sente valorizada, amada e linda com ele. Espero que meu filho saiba compreender e colocar isso em prática.

5- Coloque seus sentimentos pra fora

E agora outra frase, desta vez de Shakespeare: “Quem não demonstra seu amor, não ama”. Acredito plenamente nisso. É claro que muitas vezes, a maneira que o outro demonstra não é a que gostaríamos, mas é preciso exercitar a demonstração de amor. Não as públicas, escandalosas, pros outros verem e curtirem. As que mais importam são as demonstrações diárias de amor, afeto e consideração, para fazer sua companheira sentir que é realmente amada. Isso é primordial que meu filho aprenda e aplique, se quiser ter um casamento bem sucedido no futuro.

6- Esteja sempre limpo

Que ele saiba (e pratique) que nenhuma mulher gosta de homens fedendo, principalmente em regiões íntimas. Que ele saiba (e pratique) que mulher nenhuma gosta de nojeira masculina.

7- Mantenha sua casa limpa

Saber ser asseado com o próprio corpo é o passo número 1. E ser asseado em casa é o passo número 2. Esses precisam existir inevitavelmente na vida de um homem, acredito eu, por ele e pelas pessoas que sempre vão morar com ele, seja a mãe (no caso, eu), os roommates, a futura família. Ninguém aguenta homem que faz xixi no chão do banheiro, tampa de vaso, que suja louça e larga por aí, que deixa roupa suja espalhada pela casa… Etc…

8- Tenha sede de conhecimento

Conhecimento não ocupa espaço… Rs… Conhecimento é a única coisa que levamos dessa vida. Quanto mais conhecimento, seja em qualquer área, é válido (e precioso): autoconhecimento, conhecimento secular, conhecimento religioso. Sem essas coisas, é impossível progredir. Então, a busca pelo conhecimento é uma maneira de viver a vida.

9- Seja pontual

O tempo é curto. Tempo é dinheiro. Seu tempo é precioso. O tempo das pessoas também. Não é educado nem de bom tom ser uma pessoa atrasada. Que meu filho saiba reconhecer a elegância de sempre chegar antes.

10- Você não precisa disso pra ser feliz

Precisamos de bem pouco pra sobreviver. Precisamos de quase nada, na verdade. Hoje vivemos num mundo tão consumista que confundimos desejo com necessidade, e agregamos muito valor à coisas que não têm importância. Sei que essa é uma lição difícil de ser ensinada, principalmente às crianças, mas espero que ele possa aprender o valor das coisas, e por isso, darei a ele somente o que precisa. Acima disso, vai batalhar pra conquistar.

E vocês, mamães? Quais lições julgam importantes passar pros seus pimpolhos?

Beijos e até a próxima.

Página 1 de 71234567