Antes de tudo, seja feliz…

Em 22.10.2015   Arquivado em Relacionamento

Antes de tudo, seja feliz com você mesma. Seja feliz por ser você. Não dependa de ninguém pra te completar, porque se você depender disso, pode ser que passe sua vida numa eterna busca, e uma hora vai se frustrar. Ninguém tem obrigação de completar o outro. Você tem que ser inteira, e quando achar alguém, só vai ser a cereja do bolo, alguém pra andar ao lado, não pra você viver em função.

Seja feliz por ser quem você é. E não se envergonhe disso. Não se envergonhe das suas gordurinhas fora de lugar, nem por uns fios de cabelo que não condizem com o que dizem que é bonito. Você é linda. Não há maior beleza na vida do que ser diferente. O igual nunca chamou atenção. Então seja feliz por seu jeitinho todo peculiar, porque é ele que a torna especial.

Trace metas. E lute para atingi-las. De nada vale essa vida sem um objetivo. Pra quem não sabe onde quer chegar qualquer lugar serve.

Pratique o desapego. Jogue tudo o que te faz mal bem pra longe. Tudo o que te impede de alcançar seus objetivos. Tudo o que impede você de ser quem você é e quem você pode se tornar.

Curta a solidão. Ela te ensina que você é a pessoa mais importante da sua vida. E só se mova do lugar por uma pessoa que realmente valha a pena. Mas quando a encontrar, não pense duas vezes. Nem sempre a vida te dá uma segunda chance.

5 histórias constrangedoras sobre mim

Em 19.10.2015   Arquivado em Pessoal

Quem me conhece sabe que eu sou a rainha dos micos! Rs… Acho que só perco pra minha irmã, mas medalha de prata é bom também, né? Rs…

Eu juro que eu queria gravar um vídeo, mas não tive coragem, porque só de lembrar das coisas pra fazer uma lista eu morri de vergonha! Hahahaha… Então vai escrito mesmo que dói menos pra mim! Rs…

1) Quando o corretor amigo me traiu!

Estava conversando pelo Whatsapp com um rapaz que não era nem um pouco íntimo, na verdade era colega de trabalho, e falávamos em inglês. Quando ele disse que estava doente (sick) eu fui responder, e olha, que lindo, o corretor mudou de sick pra dick. Sim, queridos. D-I-C-K! Ele mandou um HAHAHA de 5 linhas e 500 emoticons chorando de rir, e eu queria enfiar minha cabeça num buraco.

2) Quando eu quis dar uma de gostosona

Tinha um cara na faculdade. Uhum, aquele bofe que você passa mal. E eu nunca tive o hábito de ficar / namorar com ninguém na escola ou faculdade porque todo mundo fica sabendo, e porque depois quando termina ainda tem que olhar pra cara do sujeito todo dia. Mas por aquele bofe, eu arriscaria virar motivo de fofoquinha na turma! Rs… Eu vi que ele estava no Centro Acadêmico com uns amigos, então resolvi passar toda gostosinha rebolando pela frente do CA. Mas o que eu não contava era que a moça da limpeza tinha encerado o chão recentemente. Então vocês já sabem o que aconteceu, não é? Sim, eu tava passando toda rebolativa quando escorreguei e caí DE BUNDA no chão com as pernas abertas (ainda bem que estava de calça jeans)!!! Fez aquele barulhãoooo!!! Todo mundo foi pra porta pra ver o que tinha acontecido, inclusive ele. Eu fiquei tão sem graça que fiquei rolando no chão de tanto rir (eu quando fico muito nervosa tenho ataque de riso).

3) Quando eu tive vontade de mostrar a cor da minha mão pra todo mundo dentro da van

Quem conhece meu filho sabe como ele solta bastante arzinho pelo fiofó. Rs… E sabe quando vem aquele arzinho tão podre que você quase vê o verdinho? Meu filho é desses.
Um belo dia estava com ele dentro da van voltando da escola, e ele sentado no meu colo. Ele soltou um pum tão sinistro que eu senti o bumbum dele tremer no meu colo. Eu já logo pensei: “Tomara que não fique fedendo!” Ele lá todo serelepe dando tchau pros ônibus que passavam e começou a feder sinistramente, como se tivesse sido um adulto. Pow, a van fechada, aquele cheiro começou a se espalhar, e a mulher do meu lado começou a coçar o nariz e me olhar torto, achando que tinha sido eu. Eu falei pra ela, baixinho: “Desculpe, foi o bebê.” Ela respondeu: “Aham!” Caraca… Fiquei pra morrer com aquela resposta, fiquei com vontade de fazer igual criança que mostra a mão pra dizer que não soltou pum. Mas não, desci da van com o baby no colo, e nem quero pensar nos comentários que fizeram quando eu desci…

4) Quando eu mandei a mensagem pra pessoa errada

Quem conversa comigo bastante pelo Whatsapp / Facebook / Skype sabe que de vez em quando eu mando umas mensagens erradas. Isso é um tristeza, não sei o que acontece com meu cérebro. Já passei por muitas situações chatas e tento ter maior atenção nisso, mas uma horinha que eu tô um pouco mais desligada, PIMBA! Mensagem pra pessoa errada.
Nesse dia eu estava passando muito mal, estava sozinha em casa, tinha pedido pra alguém ficar com o bebê porque eu estava sem condições de levantar da cama. De manhã eu fui lá, tomei banho, destranquei a porta e deitei enrolada na toalha mesmo. Mandei uma mensagem no Whatsapp pra minha mãe: “Mãe, estou deitada na cama dormindo. Tô mal. Vem aqui me levar no hospital que eu não tenho condições de ir sozinha. Deixei a porta destrancada, não demora.” E dormi. Acordei quase na hora do almoço e ela ainda não tinha chegado. Fui pegar o celular pra olhar, e tinha mensagem de um amigo: “Acho que essa mensagem não foi pra mim. Mas estimo suas melhoras.” Raaaaaacha minha cara de vergonha!!! E ainda por cima minha mãe nem foi avisada que era pra me levar no hospital… Ninguém merece.

5) Quando minha amiga falou UUUU pro bombeiro

Eu no hospital com uma amiga. Ela estava grávida de 9 meses, os pés inchados, a barriga enorme. Esperávamos a consulta pra ver se estava tudo bem com o bebê, quando passou um bombeiro (por que um bombeiro estava dentro do hospital, eu não sei até hoje) na nossa frente, e parou de costas pra gente pra beber água.
Minha amiga, NA MESMA HORA, deu aquele gritinho fininho: “UUUUUUU! AI UM DESSES LÁ EM CASA!” Só que ela perdeu a noção, fez isso muito alto, e o cara estava perto da gente. Eu não me aguentei e tive um ataque de risos de nervoso, e ficava cutucando ela pra parar e ela olhava pra mim e perguntava (sem se preocupar se estava falando baixo): “Vai dizer que esse morenão não é um gostoso?! Olha a bunda dele! Imagina o documento!” O-M-G! Eu queria me jogar da janela do 3º andar do hospital! Hahaha… A garota nem com 9 meses de gravidez, quase parindo, não aquieta aquele facho!!! Mas o pior mesmo foi o bombeiro indo embora, e eu vendo ele com risinho de canto de boca. Hahaha…

Agora, como eu não quero pagar mico sozinha, vou indicar 5 amiguinhas pra fazer o post também:
Mãe ao Cubo / Guria Chique / Novas Alices / Tinha que ser a Chell / Resenhando sonhos

Bora todo mundo pagando mico! Rs… Beijos!!!

Finalmente a mini pessoa está saindo da toca!!!

Em 21.09.2015   Arquivado em Maternidade

Pessoas um pouquinho mais próximas a mim com certeza já escutaram minhas preocupações sobre o Rodrigo, Rodelícia ou mini pessoa, como queira chamar. Rs… Isso porque eu sou muito encucada com o desenvolvimento do meu filho. Na época da gravidez tomei vitaminas a mais que ajudavam o desenvolvimento do cérebro do bebê, sempre colocava música clássica e outras boas músicas (Beatles, Phil Collins), e desde que ele nasceu, sempre estimulei muito.

Quando outras crianças com a mesma idade dele (e algumas mais novas) conseguiam fazer tal coisa e ele não fazia, eu começava a ficar super preocupada se meu filho estava atrasado em alguma coisa. Assim foi pra tudo: dentes, engatinhar, andar… Ele fez 1 ano e não andava ainda, enquanto as outras crianças do nosso convívio já andavam com essa idade. Ele foi dar os primeiros passinhos de verdade 15 dias depois do aniversário.

No começo desse ano coloquei Rodrigo numa escolinha escolhida a dedo pra ajudar no desenvolvimento e liberar meu dia pra eu poder voltar a trabalhar. Achei que o estímulo com outras crianças ia ajudar meu filho a ter um desenvolvimento mais rápido, mas minhas expectativas foram em vão. E a minha maior preocupação era a interação que ele tinha com outras pessoas. Cheguei a conversar com a professora e a psicóloga da escola, e a resposta foi: “Mamãe, cada criança tem seu tempo. Ele interage bem com as crianças, mas quando cansa ele pega o brinquedo e vai pro canto da sala brincar sozinho.” Como essa resposta não acalmou meu coração, continuei em casa fazendo tudo que eu podia.

O que me deixou mais preocupada ainda foi quando ele começou a não desenvolver a fala. Crianças bem mais novas que ele já falavam “mamã” e ele nada. Mas finalmente, essa semana, com 1 ano e 11 meses, ele desandou a falar, coisa que eu mal acreditei. Cheguei a chorar de emoção (pode rir, mãe é bicho bobo mesmo). Ele apontou pra Lua e falou “Lua”!!! Começou a falar “Ô Toodles!” da Casa do Mickey. Agora conta de 1 até 10. De vez em quando solta umas palavrinhas novas, mesmo que a pronúncia não seja perfeita ainda. Nossa… Agora acho que meu coração está começando a acalmar, porque eu ia ficar muito frustrada se meu filho fizesse 2 anos e não falasse nada.

Se bem que… né… ele não fala mamãe ainda. :(

Página 1 de 9123456789