The “terrible two” is coming!

Em 29.03.2015   Arquivado em Maternidade

Os americanos chamam os 2 anos da vida de uma criança de “terrible two”, ou em português uma tradução similar seria “os terríveis 2 anos”. Quando o Rodrigo nasceu, eu fiquei com muito medo desses tão falados 2 anos. Conforme o tempo foi passando eu fui achando que talvez pudesse ser um pouco de exagero desse pessoal, e respirei fundo pensando comigo mesma: “Meu filho sempre foi quietinho, só chora quando a comida acaba, vai ser fácil passar por essa”.

Depois que ele andou eu devo dizer que não só tenho medo dos 2 anos, como tenho também pesadelos com ele. O Rodrigo que antes era uma criança quietinha que só chorava por comida mostrou as garras quando seus pés fincaram no chão pela primeira vez… rsrsrs… Em pouco tempo, ele conseguiu quebrar 2 pernas do cercado e arrancou o fundo do pula-pula, as 2 únicas coisas que o mantinham quieto em um lugar só pra eu poder fazer qualquer outra coisa. Se você não acredita em mim, eis as fotos comprobatórias:

Sem meus 2 únicos recursos de conter esse bebê-taz-mania, implorei pra minha mãe dar de presente de natal pra gente uma cerquinha de ferro, daquelas de cachorro mesmo, pra eu colocar o Rodrigo no quarto enquanto estivesse fazendo alguma tarefa doméstica. Mas a minha grande ideia não deu muito certo. Se eu disser que ele não fica no quarto com a gradinha é mentira, porque ele fica uns 15 minutos. Mas nesses 15 minutos eu não consigo fazer nem 1/3 do que eu preciso, e isso está me deixando só um pouquinho desesperada.

E a perspectiva não é das mais animadoras, porque afinal de contas, ele nem chegou ainda no “terrible two”. Ele só tem 1 ano e 5 meses.

O nível está assim: ele abre a gaveta e pega o CD, eu falo que não, coloco o CD no lugar. Aí ele vai puxar o fio da tomada, eu pego e falo que não, então ele enfia o dedo na tomada. Eu corro, falo que não, ele chora, se joga, bate com a cabeça na parede e chora mais ainda. Eu vou acudir, pego no colo e pára de chorar na mesma hora (era só manha). Eu coloco de novo no chão ele sai correndo pro banheiro pra ir na privada. Eu falo que não, ele vira a esquina e vai pro escritório pegar o telefone e discar um número aleatório. Eu falo que não ele corre pra cozinha pra abrir a geladeira… E assim vai o meu dia inteiro. Só que eu preciso arrumar casa, lavar louça, lavar roupa, fazer comida, estudar, trabalhar… Tudo com ele nesse ritmo frenético.

Estou a ponto de enlouquecer. Santa creche que me ajuda um pouquinho.

  • Tamirez

    Em 29.03.2015

    É uma fase complicada, morava com meus dois sobrinhos quando eles passaram por essa fase e foi bem estressante, porém também é uma época que cria muitas memórias divertidas de catástrofes hahahaha

    E tu vai sentir falta desses anos, daqui um tempo <3

    Beijo
    http://resenhandosonhos.com

    [Reply]

    Mariana Reply:

    no momento só quero que essa fase passe, mas sei que realmente depois vou sentir falta <3
    ele faz muita coisa engraçada hahahahaha
    bjos

    [Reply]