Butterfly Soul
Rascunho Literário
Guia para Mamãe de Primeira Viagem
BS no Youtube

Um trauma: festa em casa

Durante toda a minha vida de criança, minha mãe sempre fez festinha de aniversário pra mim e pra minha irmã em casa. Ela mesma fazia tudo, e ficavam bem bonitas (tirndo o bolo que todo ano acontecia um acidente).

Mas apesar de serem lindas as festas, eu ficava nervosa de receber em casa, mesmo criança. Me lembro como minha mãe ficava estressada durante todo o dia, porque ela tinha que preparar tudo: comida, decoração, arrumar e limpar casa, arrumar os filhos. E sempre os convidados iam chegando e ela ainda estava com roupa de faxina, pingando de suor e passando pano com desinfetante na sala. Saía correndo pro banheiro, tomava um banho rápido e vestia a primeira roupa que puxasse do armário, porque os convidados estavam esperando sozinhos na sala.

Começava a chegar um monte de gente. Os adultos iam se amontoando na sala, e quando a sala ficava cheia, as mulheres iam pra cozinha conversar enquanto cortavam pão de cachorro quente e meu pai ficava na sala com os homens, normalmente mostrando os discos (de vinil hahaha) que ele tinha comprado.

As crianças, é claro, ficavam amontoadas no meu quarto. Queriam mexer em tudo, queriam desarrumar a minha arrumação de bonecas perfeita, simétrica e quase medida com a régua.

Me lembro de um aniversário fatídico que meu primo começou a pular em cima da minha cama comigo sentada na ponta, e a cama quebrou ao meio. A madeira quebrada veio raspando minha perna e doeu muito mesmo (ainda consigo me lembrar da dor). Fiquei meses dormindo num sofá-cama até meus pais conseguirem comprar uma cama nova.

Mas isso não era tudo. Além de todo o estresse anterior às festas pra que tudo estivesse perfeito pra receber os convidados, tinha o estresse pós-festa. Porque tudo que minha mãe tinha levado 1 ou 2 dias pra colocar a casa em ordem, sumiu em 3 horas. Na verdade parecia que tinha passado um furacão depois que todo mundo ia embora. Era bolo grudado no chão, poça melada de refrigerante, as toalhas manchadas de coisa derramada e o banheiro nem se fala. Tudo bem, isso é normal, tinham 40 pessoas numa casa que moravam 4, e um monte delas eram crianças. O espaço era restrito e é normal acontecerem acidentes.

Mas quando a festa terminava, minha mãe guardava as coisas de geladeira e falava: "Vamos dormir, amanhã a gente limpa!" E eu deitava na cama e ficava olhando pro teto imaginando mais um dia de estresse e faxina.

E assim ocorria pelo menos 2 vezes ao ano: no meu aniversário e no da minha irmã.

Hoje em dia, tenho coceira só de pensar em receber em casa. Tenho coceira de pensar em um bando de criança dentro da minha casa, fazendo bagunça, derramando coisa no chão, aquele falatório, eu correndo de um lado pro outro pra servir comida e bebida pra todo mundo (sem curtir o evento) e depois todo mundo ir embora e eu ficar com uma casa imunda pra limpar. Definitivamente, eu não gosto de receber em casa. Eu fico estressada, dou meia dúzia de berros porque fico com palpitação cada vez que vem alguém. E depois, fico com muita preguiça de arrumar tudo de novo. E a bagunça do pós-evento se estende por alguns dias, até eu conseguir eliminar todos os rastros.

Pode parecer um pouco engraçado, porque hoje eu moro numa casa relativamente maior que a casa dos meus pais e tenho um varandão na frente que poderia ser muito melhor aproveitado. Mas não, obrigada.

Não, eu não farei festinha pro meu filho na minha casa.

Metas para 2017
{Teatro} VeRo – Cia de dança Déborah Colker
Eu e minha mania de Hermione Granger