Butterfly Soul
Rascunho Literário
Guia para Mamãe de Primeira Viagem
BS no Youtube

Uma frustração: Ballet

Essa semana que passou eu descobri uma nova série no Netflix: Dance Academy. Logo no primeiro episódio eu viciei. Vi as 3 temporadas em 1 semana. Eu literalmente ficava até de madrugada vendo a série com fones de ouvido pra não incomodar os seres dormintes da casa.

Alguns vídeos da série

Vendo essa série, veio uma avalanche de sentimentos à tona novamente. Toda a minha frustração por não ter me formado bailarina ficou martelando na minha cabeça. Quando criança eu fazia jazz, mas cresci com a história de que minha mãe me tirou do balé porque eu estava ficando muito alta, e dançarinas / bailarinas são pequenas pra poderem ser carregadas pelos homens. Mas há pouco tempo (bem pouco mesmo, 1 ou 2 anos atrás) eu fiquei sabendo que na verdade essa história foi papo furado. Na época, meus pais estavam passando por contenção de despesas e meu jazz foi sacrificado em nome da saúde financeira da família. Foi tenso ouvir isso na época, mas enfim…

Desde que comecei a me achar adulta demais pra encarar o ballet (mesmo sem saber ainda o motivo real de eu ter parado), transferi minha frustração para meus filhos: "Quando eu tiver uma filha menina, ela vai virar bailarina". Mas sabe, isso não foi legal. É muito ruim quando você quer realizar seus sonhos na vida dos filhos, porque, afinal, eles também são indivíduos e terão seus próprios sonhos. E muitas vezes esses sonhos não são bem o sonho dos pais.

Como eu não queria frustrar meus filhos, fui até a academia de dança aqui perto de casa. Sim! Eles tinham ballet iniciante pra adultos! Fiquei tão feliz! Fui com todos os papéis pra casa, animada pra contar pro meu marido que eu ia poder fazer depois do trabalho. Mas naquele mesmo mês, descobri que estava grávida. Quem acompanhou minha gravidez sabe que foi bastante delicada e eu mal podia levantar da cama. Ok, sonho adiado mais uma vez.

Depois do meu filho ter nascido, voltei naquela mesma academia de dança. Mas eu não tinha como fazer ballet levando o bebê, e os horários das aulas não eram compatíveis com os horários livres do meu marido, pra poder ficar com ele. Ok, sonho adiado mais uma vez.

Quando, minha santa margarida, eu vou poder fazer meu ballet em paz? É pedir muito isso?

Agora eu quero ver quando meu filho for pra escolinha, se tem alguma turma de ballet adulto iniciante caindo no mesmo horário (sinceramente espero que tenha). Se antes meu sonho era ser bailarina profissional, agora só posso sonhar com aprender a fazer pliês e ficar de ponta. Não posso mais seguir essa carreira. Mas pelo menos dançar pode ser um escape pra mim. A esperança é a última que morre.

Metas para 2017
{Teatro} VeRo – Cia de dança Déborah Colker
Eu e minha mania de Hermione Granger

13 comentários
  • Cih

    Nunca vi este seriado mas… fiquei sentida com sua frustação.
    Eu sempre adorei desenho e artes e sempre levei jeito para isso. Quando demonstrei aos meus pais que queria algo relacionado eu fui orientada a fazer outra coisa porque desenho não era profissão. Engoli e depois descobri que meu pai fez desenho industrial. Hoje em dia eu entendo a preocupação do meu pai mas, e se ele tivesse me apoiado. Como será que teria sido a minha vida?! rs… Não me arrependo de nada que fiz mas, teria seguido outro caminho com certeza. =] Kiss

    [Reply]

    Mariana Reply:

    se eu tivesse seguido o ballet, hoje eu já estaria me aposentando hehehehehehehe
    bjos :)

    [Reply]

    Responder
  • Monique

    Eu fiz balé quando era pequena, uns 10 anos de idade (tá nem tão pequena assim hehehe). Minha mãe tinha me botado só porque eu era gordinha e tinha que fazer mais amigos heehehe, ahh.. e também porque era de graça lá para o meu bairro.
    Nunca fui muito fã, quase morri na apresentação de palco (porque sou super tímida), e depois de fazer uns 9 meses parei 😛
    Acho muito linda a arte, mas tem que ter muita força de vontade para fazer, porque uma bailarina sofre…
    Não fique se arrependendo do que aconteceu.. com certeza hoje você tem coisas maravilhosas, que talvez não teria se tivesse continuado como bailarina :)

    [Reply]

    Mariana Reply:

    ahhhhhhhhhhhh que isso!! balé de graça! fiquei com palpitação! hahahahahahaha
    mas é verdade, pra ser bailarina tem que ter muita determinação mesmo 😉
    bjos

    [Reply]

    Responder
  • Re Vitrola

    Quando eu era criança, eu quase me tornei uma bailarina, haha! Mas meus pais tinham a mente que dança era algo, como posso dizer… imoral. Que bailarinas tinham vida promíscua e essas coisas… e aí eu despenquei de vez pro desenho, haha.

    Hoje em dia, já tive vontade inúmeras vezes de entrar numa escola de dança, ainda que morrendo de vergonha. Faça sim, Mari. De alguma forma, será uma realização pra vc. E venha nos contar e nos incentivar tbm!

    Um beijo,
    Re

    [Reply]

    Mariana Reply:

    hahahaha… olha… minha avó era corista no theatro municipal do rj… ela era soprano ligeiro, e fazia muitos solos em óperas… as pessoas tinham esse mesmo preconceito! que a vida do pessoal do teatro era promíscua!
    mas vou entrar sim, com certeza! e volto aqui pra contar cenas dos próximos capítulos 😛
    bjos

    [Reply]

    Responder
  • Belle Hendges

    Super apoio você voltar com o ballet! Faço desde pequena e no studio existem muitas alunas mais velhas, todas com o sonho de fazer ballet que havia ficado dormindo um pouquinho dentro de si, e aí acordou e elas foram à luta hehe. E essa coisa de ser alta muita gente ME pergunta se eu não sou alta demais pro ballet (tenho 1,77). Poxa, pergunta pro corpo de baile dos ballets europeus, muitos só selecionam bailarinas com mais de 1,72 de altura! Hahah

    Beijos <3
    http://devoradoradelivros.com

    [Reply]

    Mariana Reply:

    aiiiiiiiiiiiiiiii que lindo! adorei seu comentário! e gordinha pode fazer???
    eu to um pouco acima do peso hehehehe
    bjos :)

    [Reply]

    Responder
  • Chell

    Acho tão lindo!!! Eu fiz jazz quando criança e lembro que eu gostava muito. Até hoje devo meu alongamento bom as aulas de jazz, sempre tive essa visão que eu adoro dançar. Agora entrei no Kung fu, que vi o namorado fazendo e achei bem parecido com uma dança.

    Mas olha, acho que o mais importante é você ter essa garra e nunca desistir de fazer. Uma hora vai dar, e nessa hora você vai estar animada =D

    [Reply]

    Mariana Reply:

    kung fu? que maneiroooooooo hahahaha
    gostei! :3

    [Reply]

    Responder
  • ALINE RODEGUER

    Oi Mari, seu post orienta e fala o caso de muitas pessoas como vc.
    Hoje sou professora de danças, inclusive de ballet e a mentalidade do mundo dos impedimentos estéticos, de biotipos e de idade estão com os dias contados.
    Existe hoje uma grande gama de profissionais se qualificando para atender com qualidade todos os alunos e com uma linguagem que seja agradável e estimulante para cada grupo. O grupo de ballet adulto vem crescendo cada vez mais e hj na minha escola temos tantos alunos adultos quanto crianças.
    Somos altos, baixos, magros, gordinhos, loiros, negros, surdos, cegos dos bebês até as vovós e todos amantes da Dança. E como é gostoso ver essas diferenças no palco!!! Independente do estilo de arte que vcs venham a procurar na vida, procure um lugar que atenda suas expectativas e cuide de seus sonhos com carinho.
    Se o lugar onde vc bater não tratar com o respeito que vc espera, procure outro, mas não tenha dúvida, a dança surgiu antes da linguagem oral e é uma comunicação universal de expressão e liberdade do espírito. Permita-se!!!

    [Reply]

    Mariana Reply:

    aline, adorei seu comentário! muito obrigada! <3
    vou me permitir, já comprei minha sapatilha hehehehehe… bjos

    [Reply]

    Responder